Demo image Demo image Demo image Demo image Demo image Demo image Demo image Demo image Demo image Demo image Demo image

Envie suas fotos para pib@pibderionovo.org

A Igreja Batista de Rio Novo tem a satisfação de disponibilizar sermões e cultos online via Internet.
Na lista de vídeos, você pode assistir o culto (incluindo parte musical) ou apenas o sermão. Assista e seja abençoado por Deus.

Dia nacional da mulher

  • 03/05/2010
  • Afonso Mendes
  • http://revnilsonjr.files.wordpress.com/2009/03/mulheres.jpg

    Por Pr. Fábio Porto

    O dia nacional da mulher tem raízes na história e especialmente no dia 08 de março que é marcado por sentimentos variados e até mesmo antagônicos. Esse é um dia de comemoração pelo reconhecimento das mulheres na sociedade, mas também é um dia de luto pelas trabalhadoras assassinadas e por todas aquelas que deram suas vidas na luta pela fraternidade e equidade.


    No ano 1857, operárias têxteis de Nova York foram às ruas para reivindicarem melhores condições de trabalho e redução na carga horária que era de 16 horas por dia. Essas operárias, que recebiam menos de um terço do salário dos homens, foram trancadas no interior da fábrica que foi incendiada pelos patrões. Essa funesta atitude desses criminosos deixou aproximadamente 129 corpos de mulheres carbonizados.

    Em 1908, mais de 14 mil mulheres marcharam nas ruas de Nova Iorque reivindicando o mesmo que as operárias no ano de 1857, bem como o direito de voto. Caminhavam com o slogan "Pão e Rosas", em que o pão simbolizava a estabilidade econômica e as rosas uma melhor qualidade de vida.

    O ano de 1910, foi marcado por uma Conferência Internacional de Mulheres realizada na Dinamarca, onde foi decidido, em homenagem àquelas mulheres, comemorar o 8 de Março como "Dia Internacional da Mulher".

    Foi no dia 30 de abril que nasceu a fundadora do Conselho Nacional das Mulheres, Sra. Jerônima Mesquita. Como homenagem àquela extraordinária mulher, grande filantropa, foi escolhido o dia de seu nascimento para se comemorar o Dia Nacional da Mulher sob a égide da Lei Nº 6.791 - 09/06/1980.

    Derrubaram-se tabus, obstáculos foram vencidos, a ocupação dos espaços foi iniciada. Graças à coragem de muitas, as mulheres conquistaram o direito ao voto, colocação profissional, independência financeira e liberdade sexual. Apesar de válidas, essas aberturas ainda são uma gota num oceano de injustiças e preconceitos. Prova da necessidade de maior reconhecimento da mulher é a própria institucionalização de uma data-homenagem; se a sociedade efetivamente tivesse incorporado a idéia de que os dois sexos estão em pé de igualdade, não haveria necessidade de se criar um dia para lembrá-la; seria uma atitude inútil e redundante

    Vale lembrar que essas conquistas não encerram a questão da discriminação da mulher. Infelizmente o pensamento misógino, machista e inconseqüente ainda está presente na vida de muitas pessoas. Portanto, é mister que os discípulos e discípulas de Cristo ergam suas vozes contra esse modelo que tenta desfigurar a imagem e semelhança de Deus, mostrando que de acordo com a Palavra de Jesus Cristo: somos todos iguais. Louvado seja Deus pelas mulheres e por tudo que elas representam para o mundo.

    Louvamos a Deus pelas Marias, Anas, Joanas e todas que mostram com suas vidas que poderemos construir um mundo diferente, onde não haja discriminação, violência, ódio e tudo aquilo que descaracteriza o ser humano. Que o choro das mães seja apenas de alegria por segurarem em suas mãos o fruto que foi gerado pelo amor. Mulher, mãe, irmã, amiga, namorada, esposa... Expressões do amor de Deus.

    Difícil é definir uma mulher em palavras, mas fácil é perceber seu valor diante da vida. Assim, as mulheres dignas de ontem vivem e viverão hoje e amanhã como mulheres de energia, de ideais, de influência, de execução, de capacidade e consagração. Deus abençoe cada uma.

    “Uma mulher exemplar... Reveste-se de força e dignidade; Fala com sabedoria e ensina com amor”. Pv 31:1;25-26

    Gostaria de terminar essa reflexão fazendo menção da belíssima canção desses poetas, Milton Nascimento e Fernando Brant, que conseguiram colocar nessa música a realidade e a vida das mulheres:

    Maria, Maria, é um dom, uma certa magia

    Uma força que nos alerta

    Uma mulher que merece viver e amar

    Como outra qualquer do planeta

    Maria, Maria, é o som, é a cor, é o suor

    É a dose mais forte e lenta

    De uma gente que ri quando deve chorar

    E não vive, apenas agüenta

    Mas é preciso ter força,

    É preciso ter raça

    É preciso ter gana sempre

    Quem traz no corpo a marca

    Maria, Maria, mistura a dor e a alegria

    Mas é preciso ter manha,

    É preciso ter graça

    É preciso ter sonho sempre

    Quem traz na pele essa marca

    Possui a estranha mania de ter fé na vida

    Que Deus nos abençoe!

    0 comentários: